27 janeiro, 2016

{Resenha #107} Messias de Duna - Frank Herbert



Olá, leitores! Tudo bem
Eu sempre espero que sim....por aqui algumas perdas familiares, que não cheguei a comentar, pois sempre prefiro ficar na minha. Faz parte da vida....A morte não é nada. ....Eu somente passei .....para o outro lado do Caminho.

Não sei se lembram que eu fiquei louca quando contei que estava lendo Duna, a saga épica e desértica de Frank Herbert?

Pois bem, li o Duna, resenhei aqui e parti para a continuação: Messias de Duna.

O livro é bem mais fino que o anterior, porém eu demorei muito para ler devido ao outros afazeres e o trabalho que me consome cada vez mais. 2016 tem que ser o ano da mudança. Ou eu estudo e passo num concurso ou eu economizo para cair fora de vez....mas isso é outra história, que conto em outro momento....

Se passaram uns 9 anos desde os acontecimentos em Arrakis. Paul acabou casando com Irulan, a filha mais velha do Imperador Padishah e este foi banido para Salusa Secundus. Paul Atreides é o novo Imperador do Universo. Porém nem todos ficaram felizes com isso, pois as Bene Gesserit não tem controle sobre ele...o controle que cuidadosamente tencionaram ter quando Jéssica as traiu e pôs tudo a perder (para quem não lembra, a concubina Jéssica estava proibida de dar um filho homem ao Duque Leto, já que a Irmandade queria um cruzamento entre uma Atreides e um Harkonnen).

Paul é taxado como um messias. Ele controla muito mais do que gostaria e todos o veneram como um verdadeiro Deus. Sua irmã Alia se tornou uma jovem moça, porém com toda a carga genética que carrega das Bene Gesserit ela ainda é taxada de abominação. Mas eles governam o universo e Paul é a "nova religião" do Império.

O livro continua brilhantemente a história de Paul e como ele derrubou vários inimigos. Só que com isso, muitos outros surgiram. Irulan é uma cobra dentro de sua própria casa. Ela anseia ter um filho de Paul, mas um filho do Imperador a colocaria numa posição muito privilegiada. Paul, por sua vez jurou que nunca a teria em sua cama e que Chani continuaria a ser a sua mulher. 

Irulan continua a manter contato com a Irmandade, deixando-as a par de tudo que ocorre com Paul, a fim de derrubá-lo. Secretamente ela ministra veneno na alimentação de Chani, o que a deixa estéril, sendo incapaz de dar um filho ao Imperador. Diante dessa situação, e sem saber que está sendo envenenada, Chani chega a sugerir que Paul tenha um herdeiro com Irulan, o que ele nega veementemente! Chani ama Paul de verdade e sendo fremem ela tem umas ideias bem práticas!

A Irulan parece uma menina mimada e chorona, faz tudo que as Bene Gesserit mandam ela fazer, mas tem dúvidas se está no caminho certo. A Irmandade sabe que ela é um "instrumento" menor e não dá muita bola para o que a Princesa quer. Acho que é por isso que ela deseja tanto um filho, ela não tem poder nenhum, está numa situação delicada no império. Mas é bem burrinha, né? Pois se não pode vencê-lo junte-se a ele....Porque ela não se alia a Paul e Chani? Ela sabe que nunca terá o amor dele mesmo....que o casamento foi para que ele ascendesse ao trono....

Paralelo a isso as visões prescientes de Paul cada vez mais apontam um novo caminho, sem Chani nele....o que ele tenta evitar a qualquer custo.

Fank Herbert criou um universo fantástico e aqui a parte religiosa está mais presente do que nunca. Acho que não li o livro com o devido deleite. Poderia ter aproveitado mais! Mas as crônicas de Duna são fantásticas na minha humilde opinião.

Rumo a parte 3: Filhos de Duna! 

Formada em Farmácia Hospitalar. Apaixonada por ler e escrever desde sempre. Criou o Blog em 2013 para compartilhar seu amor pelos livros, séries e filmes.

Comente com Blogger
Comente com Facebook
Comente com Google+

0 comentários:

Postar um comentário

Olá, leitor!
Se você chegou até aqui, fique sabendo que já fiquei feliz!
Se quiser deixe seu comentário que responderei em breve! Se tiver blog saiba que logo logo lhe farei uma visitinha ♥

 
Uma leitura a mais © Todos os direitos reservados :: Design e desenvolvimento por Gabi Melo :: voltar para o topo