13 outubro, 2016

{Resenha #153} Exorcismo, de Thomas B. Allen - Para Leitores Valentes


Olá, pessoal, tudo bem? Dando continuidade a nossas postagens diárias em homenagem a esse mês sensacional, a resenha de hoje é sobre um livro que traz um assunto tabu para uns mas muito interessante para outros.

Lembro que vi o filme O Exorcista ainda na adolescência. Numa época que eu achava que era cinéfila, só porque gostava muito de ver filmes, mas do que a maioria. Depois vi que não era por aí.... Então fui lá eu na locadora (olha como sou velha ahahahahah) e aluguei a fita. Meniiiiiiiiiiina, que medo que eu senti. Não lembro exatamente de todas as partes do filme, porque nunca vi de novo (até quero, mas não sei se consigo). Só tenho na memória que o filme é realmente sinistro e que só de pensar nele, já fico me sentindo arrepiada.

Saber que a história do filme se baseou numa história real ocorrida em 1949, nos deixa com os pelos da nuca eriçados. Muito se falou e se fala sobre o filme desde 1973 (tem é tempo né?) e mesmo hoje em dia o tema sempre é discutido com cautela. O que aconteceu de verdade? Foi realmente uma possessão demoníaca? Porque a Igreja guarda tudo a 7 chaves?

Enfim.... Um Exorcismo é um ritual executado por uma pessoa devidamente autorizada pela Igreja Católica para expulsar espíritos malignos ou demônios das pessoas. O estado em que a pessoa se encontra chama-se possessão demoníaca. O ato também pode ser chamado de esconjuração ou esconjuro. O ato é relatado desde os tempos bíblicos e o próprio Jesus já expulsou demônios das pessoas, segundo o Evangelho.

Verdade, mentira, insanidade ou crença religiosa, acho que apenas a fé de cada um pode atestar o que cada um de nós pensa a respeito. O fato é que em 1949 um exorcismo foi realizado em um menino de 14 anos, após meses de ocorrências inexplicáveis de que ele foi vítima. Desse caso surgiu um relato detalhado em forma de diário de um dos padres que realizou o Ritual


Segundo William Blatty (autor do livro que originou o filme de 1973) "é muito difícil encontrar qualquer literatura autêntica sobre casos de possessão demoníaca", logo ele entrou em contato com o Padre Bowdern (um dos padres envolvidos no Exorcismo) perguntando a respeito. O Padre lhe informou que justamente por isso, mantiveram um registro diário dos acontecimentos, para aqueles que no futuro estivessem numa situação parecida. Porém o Padre, por ordem da Igreja, não podia dar muitas informações a respeito (e não deu).

Por obra do destino uma das cópias desse diário foi parar nas mãos do jornalista Thomas B. Allen, que publicou a primeira edição de seu livro Exorcismo em 1993. Como resultado, o livro é considerado o mais completo relato de um exorcismo pela Igreja Católica desde a Idade Média. Os investigadores paranormais Ed e Lorraine Warren (ai, estou passando mal, pois ainda não tenho o livro deles) definiram a obra de Thomas B. Allen como “um documento fascinante e imparcial sobre a luta diária entre o bem e o mal”. Aqui abre parênteses, vale ressaltar que Ed Warren não era padre, mas também já realizou exorcismos em seus casos. 



Tudo começa falando um pouco da vida familiar do menino Robbie (nome alterado) e em como sua tia Harriet o "ensinou" a "brincar" com uma Tábua Ouija. Um tabuleiro desse é uma superfície plana com letras e números ou até outros símbolos. Em cima se coloca um indicador móvel. É usada para a suposta comunicação com espíritos. Os participantes colocam os dedos sobre o indicador que então se move pelo tabuleiro para responder perguntas e enviar mensagens. Porque isso seria uma brincadeira divertida eu não faço a menor ideia. Sempre tive medo dessas coisas quando era criança....


Tirando essa peculiaridade da conversa com espíritos a família parecia bem normal. Até a Tia Harriet falecer e um pouco depois coisas estranhas começarem a acontecer com o garoto. Batidas nas paredes, arranhões pelo corpo, coisas que flutuam, inclusive a cama, armários...(aquelas coisas que vimos sempre nos filmes). Todo tipo de investigação é feita para saber o que acontece com a criança, que vai mal na escola e tem episódios de agitação, que não faz parte do seu estado normal.

Só que tudo isso dura muito, muito tempo (meses...que agonia). Lendo o livro eu mesmo fiquei pensando "coitado desse menino e dessa família"....Nada se resolve, como pode? Possessão demoníaca ou não, era muito sofrimento....Até que uma tentativa frustrada de Exorcismo acontece e um padre sai ferido sem nem mesmo iniciar o Ritual. 


Os familiares e os padres tentam tirar o garoto da casa, mas nada funciona, os episódios estranhos continuam a acontecer, mesmo o menino estando em outro ambiente. Um segundo Exorcismo se inicia algum tempo depois com os padres Bowdern, Bishop e Halloram, mais alguns jesuítas, ao longo da narrativa.

Conforme tudo vai se desenrolando parece que o bem não vai vencer no final, gente....juro foi a sensação que tive. Dia após dia, o menino tendo os ataques e os padres seguindo o Ritual. O procedimento é bem complexo. Não é só chegar lá e gritar Eu Te Esconjuro, não é só isso. Tem todo um conjunto de orações cuidadosamente descritas que servem para mostrar que é uma luta entre o mal (o Diabo) e o bem (Jesus Cristo ou o próprio Deus), representada pelo padre condutor do Exorcismo. Além de ser conduzido em latim! Possui também uma série de orientações aos padres, para que possam conduzir o ato. Como por exemplo exigir saber do demônio a data e hora exata de sua partida. E claro, envolve muita fé.

O livro é antes de tudo um relato jornalístico, muito bem pesquisado e detalhado do que aconteceu entre janeiro de abril de 1949 com aquelas pessoas. A edição é naquele super luxo, tão característico da Darkside Books. Capa dura, meio acinzentada puxando para preto com um alto relevo bem simples, mas que deu um toque todo especial ao livro. Dentro tem uma reprodução do tabuleiro num papel diferente das folhas do livro. E claro, tem aquelas fitinha marcadora tão características dos livros da editora. A gente ama!!!!!

Achei um livro curto, porém a leitura é meio extenuante, dado os embates entre o bem e o mal, que como eu citei acima, fiquei realmente na dúvida de que o fim seria feliz....A história é dividida em 14 capítulos, após vem as anotações do diário, notas do autor, sobre os capítulos e suas fontes. 

Para quem, assim como eu, gosta de sair da zona de conforto nas suas leituras, vale a pena ler esse livro! Desculpa o post gigante, mas eu me empolguei com a leitura!

 As resenhas aqui descritas contém e minha opinião sincera. Esse post faz parte do mês especial Darkside. Ganhei o livro de presente da minha chefe de aniversário ♥




Formada em Farmácia Hospitalar. Apaixonada por ler e escrever desde sempre. Criou o Blog em 2013 para compartilhar seu amor pelos livros, séries e filmes.

Comente com Blogger
Comente com Facebook
Comente com Google+

1 comentários:

  1. Que nada amiga o post não ficou gigante, pelo contrário, ficou no tamanho ideal para liberar todas as informações necessárias desse livro que me parece bem interessante.
    Vi o filme mil anos atrás e também fiquei assustada, mas confesso que hoje em dia não tenho mais coragem. O livro nem passo perto, mas sempre gosto de conferir mais detalhes, pelo menos para ficar informada.
    Enfim foi muito legal conferir suas impressões. Beijos e parabéns pela leitura.

    Leituras, vida e paixões!!!

    ResponderExcluir

Olá, leitor!
Se você chegou até aqui, fique sabendo que já fiquei feliz!
Se quiser deixe seu comentário que responderei em breve! Se tiver blog saiba que logo logo lhe farei uma visitinha ♥

 
Uma leitura a mais © Todos os direitos reservados :: Design e desenvolvimento por Gabi Melo :: voltar para o topo